sexta-feira, 18 de junho de 2010

Andança

O tempo contradiz o que eu sinto

A esperança alimentada pela falta,

Me faz reagir lentamente aos trejeitos da vida.

A tristeza de minh’alma acalenta meu ser

Enobrece meu coração, aquece a penumbra da noite

Alivia a dor e livra o caminho que já é tão real quanto eu.

Permanece em meu olhar, vira abrigo em meu penar

Enlouquece sem razão, gira, gira e não sai do lugar

O alto clamor de minh’alma alivia minha dor

O orvalho matutino enche de alegria minha vida

Enche de amor

A estrada agora é incompleta, tenho eu que construí-la

Vou fazendo meu caminho, construindo minha vida

Nas ondas do mar que quebra nas curvas que o vento dá

Na meia noite do acaso, na sabedoria popular

Consigo então vencer, cheguei lá no final

No final que só eu sei onde é, e não irei contar pra vocês.

André Sales.

3 comentários:

rafa holz disse...

caaindo e levantando sempre ! :*

NyeleG. & Mandy disse...

Mto phoda, amei, amei meeesmo ;**

vinícius disse...

muito massa, tu é um poeta